Humanos e o Império de Imaskar

Por Daniel Bartolomei Vieira


O conhecimento do nosso mundo deve ser nutrido como uma flor rara, pois é o bem mais precioso que temos. Portanto, guardai as palavras escritas e ouvi as palavras ditas – e tomai nota destas antes que desapareçam. Assim, aprendereis a arte da leitura, da escrita e distinguireis a verdade da mentira, e isto vos levá-lo-ás à maior arte de todas: o entendimento.

― Alaundo do Forte da Vela

No artigo anterior falamos sobre as principais raças (além das outras raças criadoras e do elfos) que habitam a superfície de Toril, bem como suas origens. Agora, vamos nos concentrar na raça que mais se destacou após o declínio dos elfos ao fim das Guerras da Coroa, e a criação de seu primeiro império, conhecido como Imaskar.

Os humanos, eles próprios, são uma das raças criadora e são nativos de Toril. Acredita-se que começaram com pequenas tribos, foram escravizados por outras raças criadoras mais evoluídas que eles à época, mas com o final das Guerras da Coroa, com o declínio dos elfos, dos dragões e dos gigantes, os humanos começaram a proliferar pela superfície do mundo.

Sem a ameaça de raças mais poderosas, eles começaram a formar mais e mais povoados, construindo vilas, aldeias e logo haviam pequenas cidades. Eles já estavam espalhados pelo continente todo e haviam várias etnias, e a maioria delas aumentou em número. Destacam-se aqui os calishitas, tethyrianos, damaranos, mulan, iluskanos, rashemi e chondathanos. Haviam ainda várias outras etnias menores espalhadas por todo o continente.

Essas etnias moldaram Faerûn dramaticamente ao longo dos anos, mas vamos falar mais especificamente de uma etnia quase extinta: os imaskari, a primeira etnia humana a ter um império. Os imaskari são originários do extremo sudeste de Faerûn, e se estabeleceram nas bacias férteis do planalto de Raurin, que hoje é o deserto de Raurin. 

Os imaskari eram originalmente agricultores, mas ao longo de milhares de anos, passaram a dominar a arte da magia e criaram uma civilização vasta e conquistadora que durou cerca de 4 mil anos (de cerca de -8000 CV a cerca de -4000 CV). Eles expandiram seu conhecimento sobre a magia e atingiram níveis transdimensionais, sendo os primeiros a criar espaços extradimensionais permanentes, por exemplo. Eles criaram também as imaskarcanas, poderosos artefatos utilizados pelos lordes artífices. Em constante expansão, os imaskari criaram uma rede de portais por todo o leste de Faerûn, sendo inclusive responsáveis pela segunda migração de orcs para Toril, conforme falamos no artigo anterior.

Eles eram uma civilização única e diferenciada naquela época, pois eram governados por magos em vez de reis. Os magos mais poderosos do império se auto denominavam Lordes Artífices e passaram a governar os outros cidadãos. Contudo, o início do declínio do império se deu quando uma praga se abateu sobre os imaskari e dizimou a população de cidades inteiras. Os magos governantes conseguiram reverter a situação e, para reconstruir, usaram portais para novamente trazer escravos, desta vez, humanos.

Esses humanos, de onde vieram, trouxeram consigo sua fé. Ao saber disso, os Lordes Artífices imaskari tentaram isolar os escravos de suas divindades colocando barreiras mágicas em seus portais para impedir qualquer intervenção divina. Logo esses escravos se misturaram aos imaskari e deram origem à etnia mulan, e as preces desses mulan por salvação não passou despercebida. Acontece que, mesmo com a barreira imposta pelos magos imaskari, as divindades desses escravos, que são divindades egípcias (o que pressupõe que esses possivelmente vieram da Terra!), informaram Ao que seu povo estava em necessidade. A Ao eles requisitaram uma esfera de cristal, um artefato capaz de criar bolsões dimensionais através dos quais eles poderiam atravessar porções do universo para ir para outros mundos, no caso Toril.

Ao acabou concedendo a esses deuses o acesso a Toril, mas permitiu apenas que eles enviassem seus poderes para lá através de humanos escolhidos por eles na forma de avatares. Assim, os deuses dos mulan escolheram pessoas para se tornarem seus avatares físicos e deram início a uma rebelião contra os imaskari. Logo as cidades imaskari estavam em chamas e muitos dos Lordes Artífices morreram, o principal deles em uma batalha épica contra o avatar de Hórus.

Assim, os mulan ganharam sua liberdade e se espalharam pelo sul e para o leste de Faerûn, controlando várias terras. Alguns imaskari conseguiram fugir e escaparam para a Umbraeterna, e lá criaram o reino de Imaskar das Profundezas, governado por muitos séculos por reis e rainhas descendentes dos poderosos imaskari.

No próximo artigo, continuaremos a falar dos poderosos impérios humanos, dessa vez começaremos a falar sobre o poderoso império mágico de Netheril. Até lá!


Agora temos material de D&D em português. Não perca a chance e adquira seus livros do jogo de RPG mais popular do mundo!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: