Heróis do Dia das Bruxas – Bruxo Lâmina Maldita

por James Haeck (disponível em https://www.dndbeyond.com/posts/356-heroes-of-hallows-eve-hexblade-warlock)
traduzido por Daniel Bartolomei Vieira
Arte Destacada, “Elric de Melniboné”, artista desconhecido

Imagem da Wizards of the Coast

Um poder antigo espreita dentro das lâminas mágicas através do cosmos e procura encontrar influência nas sombras de sua alma. A inescrutável inteligência da lâmina orienta sutilmente suas ações de maneiras que você jamais poderia compreender. Seu patrono existe para além das fronteiras desta realidade, em uma forma vaga e amorfa, mas manifesta o poder dele através do fio de uma lâmina. Talvez várias lâminas em todo o mundo respondam à essa chamada irresistível. Somente suas aventuras revelarão a extensão do poder do seu patrono misterioso.

O patrono do bruxo Lâmina Maldita o transforma de uma classe conjuradora atípica em um formidável guerreiro de vanguarda. Um bruxo que forma um pacto com a Lâmina Maldita pode ser obcecado com a descoberta da identidade do patrono dele, ou talvez ele embarque em uma missão para encontrar uma das lâminas pessoais do patrono, como o artefato lendário Blackrazor (algo como Laminegra).

Emulando os Lâminas Malditas da Ficção


O bruxo Lâmina Maldita de maior destaque na consciência popular de D&D é Fjord (interpretado por Travis Willingham) do Critical Role. Tanto quanto sabemos atualmente, a história de Fjord desafia o texto explícito do Lâmina Maldita como descrito no Xanathar’s Guide to Everything a favor de uma história mais personalizada, mas isto é o que se espera de Matthew Mercer e do mundo dele, Exandria – em que tudo é familiar, mas apenas diferente o suficiente para manter as pessoas tentando adivinhar. Fjord, no entanto, enfrenta uma busca que envolve a descoberta da identidade de seu patrono e, também, a compreensão o poder maciço dele, algo presumivelmente sem limites.

Uma coisa que fica clara no Critical Role é que Travis está sendo surpreendido em cada reviravolta da história que Matthew está tecendo para o personagem. Esta é uma ótima opção se você quiser desvendar uma história misteriosa em torno de seu patrono… mas isso só funciona se você tiver um Mestre que é um notável contador de histórias, assim como Matthew Mercer é, e esteja disposto a investir todo o tempo e esforço necessário para criar um enredo como esse.

Portanto, sejam legais com os vossos Mestres, pessoal.

Naturalmente, uma outra opção é que você apareça com uma história para seu patrono e a entregue a seu Mestre, e então diga “pode pegar pesado com ele”. Você acabou de tornar a vida mais fácil para o seu Mestre sofredor, e de repente você tem uma voz na sabedoria do mundo. Se você está disposto a colocar isso em funcionamento, eu prometo que 19 de 20 Mestres irão amar você por ter chegado com uma história pronta para eles.

O clássico personagem no estilo lâmina maldita da ficção, no entanto, é Elric de Melniboné, criado por Michael Moorcock. Os contos de Elric foram uma grande inspiração para o jovem amante de fantasia Gary Gygax quando criou Dungeons and Dragons junto com Dave Arneson, no início dos anos 70. Elric, um imperador doente e dependente de drogas, descobre a lâmina arcana chamada Stormbringer (algo como Arauto da Tempestade), que é, na verdade, um demônio antigo que tomou a forma de uma espada de lâmina cor de ébano cheia de runas entalhadas. A lendária lâmina Blackrazor, que apareceu pela primeira vez na aventura de D&D White Plume Mountain, é tão intimamente inspirada pela Stormbringer que a semelhança pode transcender a inspiração. Mas isso não é tudo. Como é de se esperar, Elric atraiu grande poder através da Stormbringer – permitindo-lhe tornar-se um grande guerreiro e conjurador, liberto de sua dependência das drogas, mas também foi algo que veio a um grande custo. Stormbringer precisava consumir as almas dos vivos, e Elric necessitava da Stormbringer.

Só havia uma opção. Embora Elric desprezasse a lâmina amaldiçoada, ele era compelido por ela — às vezes literalmente compelido pela magia de Stormbringer — para saciar a fome negra de seu “patrono”.

Se isso não for um Lâmina Maldita, então não sei o que seria. Alguns dos traços necessários para um Lâmina Maldita são: possuir uma espada poderosa e senciente (ou ter um relacionamento com um poder sombrio que se manifeste através de uma espada), possuir algum tipo de poder mágico, e enfrentar uma grande escolha moral – talvez a tentação em direção à crueldade associada à fome de poder. Nem todos os bruxos Lâmina Maldita cumprem todos estes requisitos, mas são todos bons pontos de partida. Outros exemplos de lâminas malditas na cultura pop incluem Sadlygrove (“Tristepin”) e sua lâmina senciente Rubilax da série animada francesa Wakfu, e Siegfried Schtauffen e a espada-demônio Soul Edge (algo como Limite da Alma) – e assim, o alter ego da lâmina possuída de Siegfried, Nightmare (algo como Pesadelo) – da série de jogos de video game Soul Calibur. Quais outros personagens se encaixam nesse perfil?

Jogando com um Bruxo Lâmina Maldita


O patrono Lâmina Maldita foi introduzido no Xanathar’s Guide to Everything, e acompanhando-o estão uma série de invocações místicas que melhoram a sua capacidade de lutar em um combate corpo a corpo. O simples fato disso é, fazer um pacto com o Lâmina Maldita é a sua melhor opção se você quiser ser um causador de dano de vanguarda de combate. Isso o transforma em algo semelhante a um paladino místico. Isso não elimina outras opções; Astrid Sunglow é uma personagem na minha campanha atual, e ela é uma bruxa Celestial que fez um Pacto da Lâmina, permitindo-lhe dividir o foco entre o dano bruto e a cura. Astrid se parece muito como um personagem vindo direto de Sailor Moon, sendo capaz de punir o mal e proteger os amigos dela.

Imagem da Wizards of the Coast

Entretanto, se dano puro e sobrevivência pessoal são tudo o que você quer, não há nenhuma escolha melhor de patrono para um bruxo de Pacto da Lâmina do que um Lâmina Maldita. Emparelhar seu patrono Lâmina Maldita com outros pactos (Pacto do Tomo ou Pacto da Corrente) é uma opção interessante e válida. O Pacto do Tomo é mais valioso do que o Pacto da Corrente quando emparelhado com o Lâmina Maldita porque muitos dos recursos de classe desencadeiam seus próprios ataques – e não apenas ataques com armas; seus ataques mágicos contam também, portanto rajada mística é essencial para o seu arsenal mágico! Lamentavelmente, os ataques feitos pelo familiar que você ganhou através do Pacto da Corrente não contam como seus próprios ataques.

No 1º nível, você ganha as características Maldição da Lâmina Maldita e Guerreiro Maldito. A última característica é bastante poderosa, uma vez que lhe concede uma série de proficiências que o tornam um guerreiro hábil. Ela também lhe concede a capacidade de fazer ataques com armas usando seu modificador de Carisma em vez de sua Força ou Destreza. Assim como Elric ganhando poder através de Stormbringer apesar de sua fragilidade física, assim também sua lâmina mágica lhe concede uma proeza de batalha sobrenatural.

Sua Maldição da Lâmina Maldita é semelhante em aplicabilidade à maldição de um bruxo ou da marca do caçador de um guardião, que permite que você escolha uma única criatura para sofrer um aumento de dano quando atacá-la. Ele também concede a você um crítico aprimorado contra essa criatura e a capacidade de restaurar pontos de vida quando você causa dano a ela. É muito poderoso, mas precisa de um tempo de recarga através de um descanso curto.

Imagem da Wizards of the Coast

No 6º nível, você ganha a característica Espectro Amaldiçoado. Uma vez por descanso longo, você pode enredar a alma de um humanoide que acertou com um golpe fatal, fazendo com que ele se levante como um espectro sob seu comando. É assustador, interessante e bastante poderoso. E mais importante, é descartável. Este não é um amado companheiro animal ou uma montaria honrada com a qual você tenha que se preocupar. Este é um fantasma místico vinculado à sua vontade; faça com ele o que achar melhor.

No 10º nível, sua Maldição da Lâmina Maldita melhora em poder quando você adquire a característica Armadura das Maldições. Agora, quando o alvo de sua maldição lhe ataca, você pode gastar uma reação para impor uma chance de 50% dele perder tal ataque, independentemente da jogada de ataque que ele fez. Você já era poderoso em encontros de alvos únicos; isso o torna ainda mais forte. Elimine monstros chefes com impunidade!

Por fim, sua característica de 14º nível é Mestre das Maldições, que concede ainda mais poder para sua Maldição da Lâmina Maldita. Agora, quando o alvo de sua maldição morre, você pode fazer com que a maldição “salte” instantaneamente  para outra criatura próxima.

Ao longo de sua carreira como bruxo, você também ganha magias especiais concedidas pelo seu patrono. Isto é exatamente igual como em todos os outros patronos do bruxo, mas o seu é de um tema particularmente marcial, com feitiços como marca da punição e arma elemental, tornando-as destaque em sua lista de magias.

Jogando com um Lâmina Maldita do Seu Jeito


Imagem da Wizards of the Coast

Olhando entre lâminas malditas icônicos como Fjord e Elric, já fica claro que há mais de uma maneira de jogar com um bruxo cujo patrono é uma Lâmina Maldita. Considere a insinuação de conhecimento de que a própria Rainha Corvo pode ser a fonte verdadeira de seu poder inspirado no Pendor das Sombras. É este o caminho que você quer que a sua história siga? Você realmente se importa em saber a identidade de seu patrono misterioso, contanto que ele continue a conceder-lhe poder místico?

O bruxo é uma classe com uma estética poderosa. Sinta-se capacitado para fazer o seu lâmina maldita dramático, e realmente tenha controle sobre o seu personagem. Com tantos mistérios ao redor dele, não desperdice esta oportunidade de se divertir para valer com a história de fundo que ele oferece!


James Haeck é o principal autor para os artigos do D&D Beyond, o co-autor de Waterdeep: Dragon Heist e do Cenário de Campanha de Tal’Dorei da Critical Role, o Mestre de Worlds Apart e um escritor terceirizado para a Wizards of the Coast, da D&D Adventurers League e da Kobold Press. Ele vive em Seattle, Washington, com sua parceira Hannah e suas companheiras panteras, Mei e Marzipan. Você normalmente pode encontrá-lo perdendo tempo no Twitter em @jamesjhaeck.

 

Primeira aventura de John Prichard traduzida.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: