Locais em Chult, Parte 10

por Augusto Ballalai e Daniel Bartolomei Vieira
Imagem de Destaque, “Selvas de Chult”, arte por Jedd Chevrier

Rio Soshenstar


O Rio Soshenstar fica na região norte e central da selva e flui da Bacia AldaniAldani Basin até a Baía de ChultBay of Chult. O rio possui diversas quedas d’água ao longo de sua extensão. A cidade de Porto NyanzaruPort Nyanzaru fica nas proximidades de sua foz.

Rio Tath


O Rio Tath também nasce na Bacia AldaniAldani Basin, mas corre para o sul, desaguando, em uma enorme queda d’água, na Baía JahakaJahaka Bay. Alguns quilômetros ao sair da bacia, ele ganha o reforço de um afluente sem nome que corre vindo dos Penhascos da NévoaMistcliffs. Mais adiante fica o desfiladeiro de Ataaz Kahakla, a “Garganta da Morte”, que já ficou no fundo do mar na época da Praga MágicaSpellplague.

Rio Tiryki


O Rio Tiryki nasce no coração da selva de Chult e corre através de um desfiladeiro em direção do norte, até a Baía de ChultBay of Chult, através de uma série de corredeiras. Este rio é um dos de mais difícil navegação, e seu percurso deve ser feito de cano, seja corrente abaixo ou corrente acima, desviando-se das corredeiras através da selva. O que piora a situação é a enorme quantidade de predadores e mortos-vivos que rondam a região de suas margens.

Considerando-se isso tudo e o fato de o Dedo-de-FogoFirefinger e seu ninho de homens-pterodontes ficarem próximos, além dos Grungs que vivem em seus desfiladeiros, o Rio Tiryki é considerado um dos mais perigosos cursos d’água em Chult.

Shilku


Shilku era uma aldeia costeira do litoral sul de Chult. A erupção dos vulcões próximos expulsou seus moradores e a aldeia está abandonada e preservada pela lava vulcânica. Suas ruas estão cobertas de cinzas e pela crosta resfriada da lava.

Após o evento, ninguém mais retornou a Shilku, e por isso mesmo os Punho FlamejanteFlaming Fist de Forte BeluarianFort Beluarian estão com planos de explorar o local atrás de tesouros e do que mais possa estar enterrado por lá. Entretanto, embora a vida humana não seja encontrada por lá, mephits, salamandras de fogo e outras criaturas acostumados com o calor vagam pelas ruas e escavam túneis através do subsolo da aldeia coberto por rocha vulcânica.

Terra da Cinza e FumaçaLand of Ash and Smoke


Rios de lava fumegante entre rochas vulcânicas negras e ar fumacento é tudo o que pode ser visto neste local desolado. Esta paisagem cinzenta e infernal possui temperaturas de 7 a 15 graus mais elevadas que em qualquer outro lugar de Chult (que já é quente), e recebe apenas uma fração da chuva que cai no restante da península, sendo que o pouco que chove logo é evaporado rapidamente pelo calor sufocante.

As únicas criaturas que conseguem habitar e sobreviver na região são salamandras de fogo e a dragão vermelho chamada Tzindelor, que gosta de se banhar nos rios de lava. Embora algumas expedições tenham tentado explorar a área, muito do que se conhece de lá se baseia em observações feitas do topo das montanhas costeiras ao sul do vale.

Vale da AtrocidadeValley of Dread


No extremo leste de Chult fica este vale cercado pelas Montanhas Lagarto CelesteSky Lizard Mountains ao norte e pelas Montanhas Sanrach(Sanrach Mountains) ao sul. O vale faz jus ao seu nome, já que a densa floresta nele é o local de caça de dinossauros de todos os tipos, além de ser o lar de diversos reinos de homens-lagarto e seus reis e rainhas cruéis.

Vale da Honra PerdidaValley of Lost Honor


O vale recebeu este nome quando, há muitos séculos, os poucos Eshowe que restaram do frustrado ataque a cidade de Mezro fugiram da própria terrível criatura que invocaram. Após isso, Ras Nsi os perseguiu com sua horda de mortos-vivos e os exterminou ali. A única testemunha do massacre eram os ossos dos Eshowe, que já não existem mais pois foram engolidos pela lava do vulcão a oeste de Hrakhamar, nas Montanhas dos KoboldsKobold Mountains.

As salamadras de fogo que se apossaram das antigas minas dos anões hoje patrulham o vale, um aviso claro de que o território é deles também. Tzindelor, a dragão vermelha que fez seu covil na Mina Coração de DragãoWyrmheart Mine também ronda o vale, mas ela e as salamandras têm mantido um respeito mútuo por enquanto, algo que pode mudar, já que os dois lados possuem o mesmo interesse no local.

Vale das BrasasValley of Embers


Cercando toda a costa sul do Lago Luo fica esta terra escarpada incinerada pelo calor vulcânico. A vegetação ali foi totalmente devastada por nuvens piroclásticas lançadas pelos vulcões dos Picos de ChamaPeaks of Flame, e rios de lava cortam o solo bem como cinzas em suspensão dominam o ar. Ocasionalmente, rochas fumegantes lançados pelos vulcões ao sul cruzam os céus e caem como chuva nestas terras enegrecidas.

Mais próximo do lago, a terra é úmida formando uma charneca estéril feita de cinzas, tornando sua travessia impossível. Entretanto, mephits da lama e do vapor prosperam ali.

Vorn


No meio da selva, próximo a algumas rochas e samambaias, há uma estátua humanoide de cerca de 2,4 m de altura. Os punhos da estátua são feitos de bronze, as articulações de ferro, bem como seu elmo com abertura para os olhos, e ela veste uma espécie de armadura peitoral feita de adamantina. As outras partes são de madeira reforçada por barras e rebites de adamantina.

Aos pés da estátua existem oferendas de comida, penas, pedras coloridas e crânios diversos. Tais oferendas são feitas pelos moradores da selva (goblins, grungs e vegepigmeus), que veneram a estátua acreditando que ela seja a representação de alguma divindade ou guerreiro poderoso.

A verdade é que a estátua era, de fato, o guardião de uma mago que morreu há muitos anos atrás. Desde então, o guardião tem permanecido impassível e imóvel no lugar onde estava, aguardando ordens de seu mestre.

Yellyark


Queen Grabstab
Rainha Agarra-Punhalada, a líder dos Formiga Mordedoras. Arte por Richard Whitters

Yellyark é engenhoso lar da tribo de goblins Batiri autodenominados tribo da Formiga MordedoraBiting Ant. Esta tribo é conhecida por usar máscaras de madeira esculpidas para se parecer com a cabeça de formigas e por marcar a área de seu território com as cabeças de seus inimigos.

Yellyark é fruto da engenhosidade dos goblins, pois é construída como uma espécie de rede presa aos galhos das árvores acima, em um emaranhado de vinhas sobre as quais ficam suas construções. Esse foi a maneira de os Formiga MordedoraBiting Ant se protegerem de seus inimigos e dos animais da floresta. O mais interessante é que a estrutura pode ser solta quando um grande predador os ameaça, pois é presa às árvores como uma espécie de mola. Nestes casos, os goblins cortam a estrutura que prende o vilarejo às árvores e o vilarejo inteiro torna-se uma bola de vinhas que é lançada a vários metros pela selva, as cabanas todas protegidas por camadas de folhas e musgos.

Cerca de quarenta goblins compõe o vilarejo, entre adultos e filhotes, todos comandados pela Rainha Agarra-PunhaladaQueen Grabstab.


Referências

PERKINS, C.; DOYLE, W.; WINTER, S. Tomb of Annihilation. Wizards of the Coast, 2017.
PERKINS, C. The Tortle Package: Tomb of Annihilation Supplement. Wizards of the Coast, 2017.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s