Locais em Chult, Parte 8

por Augusto Ballalai e Daniel Bartolomei Vieira
Imagem de Destaque, “Omu, the Forbidden City”, cartografia por Mike Schley

Naufrágio da Deusa das EstrelasWreck of the Star Goddess


Este é o local da queda da nau voadora Deusa das EstrelasStar Goddess, originária de Halruaa. A queda aconteceu recentemente quando aventureiros de Halruaa vieram até Chult para explorar a região. Eles foram atacados por por um bando de homens pterodontes, que rasgaram o balão e a embarcação acabou caindo entre as árvores, muitos quilômetros ao sul da Bacia AldaniAldani Basin.

Naufrágio do NarvalWreck of Narwal


Um galeão marítimo chamado NarvalNarwal acabou indo parar no meio da selva, de cabeça para baixo, por causa de algum equívoco mágico. A antiga tripulação se foi há muito tempo, e a embarcação acabou tomada por outros residentes da selva.

Omu


Omu, também chamada de Cidade ProibidaForbidden City fica em uma bacia escondida nas profundezas da selva, cercada em todos os lados por penhascos. Entre os exploradores que tentam encontrá-la, é unanimidade que é um local quase impossível de ser encontrado. Além de perigoso.

Para começar, deve-se atravessar centenas de quilômetro de selva fechada e sem trilhas, altamente habitada por predadores selvagens, canibais, além de boa parte do exército morto-vivo de Ras Nsi. Somente um guia habilidoso e, mediante um pagamento exorbitante, concordaria em tentar levar alguém até lá.

Devido a dificuldade de se chegar até lá, é quase um local mítico, que dizem ser amaldiçoado e abandonado. Embora de fato o local pareça ser abandonado, suas ruas elevadas e praças tomadas pela vegetação estão longe de serem inabitadas. Somente entrando na cidade e vendo de perto é possível saber isso.

A cidade recebeu a alcunha de Cidade ProibidaForbidden City porque, dizem, foram os Omuanos os responsáveis por Ubtao dar as costas a Chult. No passado, Omu era conhecida como a joia de Chult, um local de extrema beleza e riqueza. Muitos diziam que adentrar Omu era adentrar no próprio paraíso. Mas a ganância dos Omuanos fez com que eles escravizassem seus vizinhos e demandassem cada vez mais tributos. O preço do luxo e da riqueza foi pago em sangue e em almas. Isso enfureceu Ubtao e ele abandonou Chult cerca de dois séculos atrás.

Com isso, os clérigos Omuanos perderam seus poderes e a cidade caiu em desgraça. As doenças e pragas aumentaram, os escravos se rebelaram e muitos tiveram que fugir, deixando o local abandonado. Os poucos mapas que indicavam a localização de Omu foram destruídos. Em desgraça, a cidade foi apelidada assim.

Desde então, a cidade recebeu outros habitantes. Com a partida de Ubtao, Omu foi ocupada por antigos espíritos das selvas, vivendo às custas dos poucos Omuanos que ficaram. Estes antigos espíritos, disfarçaram-se de criaturas das selvas e prometeram grande poder aos cidadãos em troca de devoção. Desesperados por redenção, os Omuanos destruíram os templos dedicados a Ubtao e começaram a venerar os Nove Deuses TrapaceirosNine Trickster Gods. Entretanto isso levou somente a mais decadência, e isso acabou por atrair a atenção de poderosas criaturas de outros planos que passaram a fazer uso do local para seus próprios planos.

Além disso, vários yuan-ti adotaram o local como seu novo lar e estão lá esperando pelo retorno de Dendar, a Serpente NoturnaNight Serpent. Junto dos yuan-ti está o antigo e banido bara, o maligno Ras Nsi.

Orolunga


Orolunga, uma antiga cidade Chultiana, hoje nada mais é do que ruínas no meio da selva. Tudo o que resta lá é um zigurate, uma espécie de templo de pedra. Dizem que no topo do zigurate vive uma naga guardiã com milhares de anos, e que ela é a maior fonte de informações em Chult.

Chegar até a naga não é fácil, pois aquele que deseja consultar com ela deve subir o zigurate. Entretanto, muitos que tentaram desistiram, pois parece que tudo o que é feito para se avançar os andares da construção parece não surtir efeito, e quanto mais magia se usa, mais inútil se mostra o esforço. Chegar até a naga é um próprio teste para ser digno de consultá-la.

Ossos de EspinhoNeedle’s Bones


Na selva ao norte de Kir Sabal, há um buraco na terra, cercado de ossos de goblins. As paredes do buraco, que possui quase 30 m de largura são feitas de pedra, e o fundo está cheio de uma água velha e esverdeada e o som se sapos lá no fundo resulta em uma enorme cacofonia.

Enormes ossos elevam-se da escuridão, cobertos de vinhas, musgo e líquens. Os ossos pertenciam a uma dragão verde chamada Ormalagos, conhecida também como EspinhoNeedle. Ela morreu no fundo dessa gruta que lhe servia de covil quando foi emboscada e atacada por um temeroso ousado bando de Batiri que queriam lhe roubar o tesouro. Eles a mataram, mas quase todos morreram também, e o tesouro de EspinhoNeedle permanece no fundo do buraco.


Referências

PERKINS, C.; DOYLE, W.; WINTER, S. Tomb of Annihilation. Wizards of the Coast, 2017.

 

1 comentário Adicione o seu

  1. AntunesNascimento disse:

    Bom trabalho, gente. Continuem. Leio tudo. Parabéns!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s